expressão

Salvando a cena

Festas de música eletrônica paulistanas unem forças para ajudar funcionários que ficaram desamparados durante a pandemia

por Giuliana Mesquita 13 ago 2020 01h56
-
Clube Lambada/Ilustração

 dia 14 de março de 2020 ficou marcado como o último sábado em que uma festa de música eletrônica aconteceu (legalmente) na cidade de São Paulo no primeiro semestre – e provavelmente no ano. A pandemia do novo coronavírus congelou os eventos na cidade, no país e no mundo, deixando uma indústria inteira a mercê da sorte e, no Brasil, de um governo que deixou profissionais autônomos desassistidos. Enquanto os DJs e performers conseguem continuar tocando e se apresentando, ainda que com alguns obstáculos, equipes inteiras de segurança, limpeza e bar, que têm nas festas paulistanas sua única renda, ficaram completamente paradas.

A festa Versa, por exemplo, estava agendada para o dia 20 de março e precisou ser desmarcada. Com o caixa que tinha arrecadado para produzir o evento, Gabriel Brugnara pagou os funcionários com os quais já trabalhava por algum tempo. Em maio, quando o caixa foi zerado, decidiu criar o Salva Rave, iniciativa de união entre a cena underground de música eletrônica de São Paulo que visa amparar esses profissionais por meio de doações arrecadadas em lives, conversas e festas no Zoom com convites pagos. “A ideia é ajudar e valorizar quem está por trás da cena”, explica Brugnara.

-
Versa por Ivi Maiga Bugrimenko/Divulgação
-
Versa por Ivi Maiga Bugrimenko/Divulgação

“Antes das festas, faço uma reunião e explico que não é para maltratar os clientes, que eu não aceito racismo, gordofobia e homofobia”

Monica Pereira, chefe de equipe de segurança e limpeza

Na sua primeira fase, a Salva Rave conseguiu arrecadar quase R$ 5 mil reais, ajudando quarenta profissionais que sempre trabalharam para fazer a festa acontecer sem problemas. Uma dessas equipes é comandada por Monica Pereira, que cuida da segurança e da limpeza da maior parte das raves paulistanas com sua equipe de 47 pessoas. “Nós priorizamos contratar mulheres trans, lésbicas e gays”, conta. O cuidado de educar esses profissionais para que atuem em festas em que a maior parte do público é LGBTQIA+ é essencial – e um dos diferenciais da equipe que Monica criou há quatro anos. “Antes das festas, faço uma reunião e explico que não é para maltratar os clientes, que eu não aceito racismo, gordofobia e homofobia, que é pra tratar todos bem”, completa Monica.

Já na segunda fase do projeto, a Salva Rave se fundiu ao Rolê do Bem – iniciativa parecida de auxílio a esses profissionais – e a Fernando Sapuppo, da Cartel 011, unindo parte das festas paulistanas para ajudar, entre elas Blum, Dando*, Caldo, Gangue, Ghost, Silvertape e Sangra Muta, alguns dos nomes mais importantes da cena underground paulistana. No próximo domingo, dia 16, quase exatamente cinco meses depois da última festa presencial registrada em São Paulo, a Salva Rave vai transmitir uma live com Marcelo Elídio (Dando*), Kipitok (Blum), Victoria Ortiz (Caldo) e o DJ G/O na Rádio Toca com a finalidade de arrecadar mais recursos para o projeto. “A ideia, na segunda fase, é dobrar o número de pessoas assistidas. Na primeira fase, ajudamos as pessoas que estavam numa situação mais vulnerável”, completa Brugnara.

-
Blum/Divulgação

“Nós temos o plano de continuar essa iniciativa, de discutir equidade entre os salários de todos que trabalham na cena de música eletrônica. Os cachês dos DJs e dos seguranças não pode ser tão diferente”

Fernando Sapuppo, sócio da Cartel 011

O futuro do projeto, no entanto, não se limita ao fim da pandemia do Covid-19. “Nós temos o plano de continuar essa iniciativa, de discutir equidade entre os salários de todos que trabalham na cena de música eletrônica. Os cachês dos DJs e dos seguranças não pode ser tão diferente”, completa Fernando Sapuppo, que entra com a parte de planejamento de comunicação e divulgação da iniciativa. No futuro, Sapuppo também planeja criar uma loja online da Salva Rave dentro do site da Cartel 011, com roupas doadas por marcas amigas, para aumentar a arrecadação. 

-

Blum/Divulgação

Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
expressão
rico-dalasam-01

O Retorno de Rico Dalasam

Por
Depois de um hiato e um cancelamento, o rapper volta com novo álbum sobre afetividade de pessoas negras e relações interraciais
Pelo Brasil afora, drag amazônica chama a atenção para questões ambientais e sociais por meio de sua arte
Agnaldo Timóteo, cantor.

O último cantor do vozeirão

Por
Entrevistei Agnaldo Timóteo em 2018, mas apenas à luz de sua morte vejo essa conversa sobre homossexualidade e homofobia publicada
chorao03

A dualidade de um herói real

Por
Documentário "Chorão: Marginal Alado" mostra ambas as faces de um artista que marcou sua época sendo muito em todos os âmbitos de sua vida
No dia em que ele completaria 80 anos, Helio de La Peña, Jacy Lima, Yuri Marçal e outros humoristas refletem sobre o papel dos negros na comédia brasileira