expressão

Hahnemann para uma nova geração

Negro e revolucionário, o artista Hahnemann Bacelar morreu de maneira misteriosa em 1971. Seu legado precisa ser conhecido em 2020

por Vanessa Rocha Atualizado em 24 set 2020, 11h30 - Publicado em 24 set 2020 01h57
-
Clube Lambada/Ilustração

Jornal, Manaus. 2 de dezembro de 1968: “Hahnemann Bacelar está feliz”. A frase expressava o êxtase de um pintor de 20 anos que acabava de ganhar o prêmio de melhor artista em uma exposição local de pintura, onde participaram referências da arte nacional. Além do título, o jovem Hahnemann ganhou mil cruzeiros, que seriam utilizados por ele para custear uma viagem à Bahia, sonho que o menino prodígio jamais concretizou.

O talento excepcional de Hahnemann Bacelar revolucionou a arte no Amazonas, igualando-o a renomados artistas brasileiros. A obra do artista é vista, por especialistas no Amazonas, como inquestionável, pois retrata uma expressão amazônica até então inédita em produções locais, colocando em evidência a mais pura essência do viver e ser amazônicos, realçada por cores brutais e banhada pela sensibilidade de um jovem olhando para a sua terra.

Mas, em paralelo a essa grandiosidade, os preconceitos de uma sociedade refém da Belle Époque, as dores de Hahnemann até então desconhecidas por parentes e amigos e as circunstâncias de sua trágica morte, esculpida por conflitos e mistérios, levaram a obra de Bacelar a uma invisibilidade regional e nacional, perpetuando o apagamento dessa icônica figura artística, um jovem preto, pobre e filho da Amazônia.

-
Roberto Kahane/Fotografia

O menino que queria ser pintor

Nascido em Manaus, no dia 8 de outubro de 1948, Hahnemann Bacelar de Aguiar, filho de Adélia Bacelar e Francisco de Aguiar, começou a desenhar durante as horas que passava na Casa da Criança, uma creche/escola da cidade, onde ficava enquanto a mãe trabalhava. Começou fazendo alguns rabiscos infantis e aos poucos foi tomando gosto pelo desenho e pela pintura. Aos 16, já incorporava em seu trabalho práticas artísticas cada vez mais avançadas, referenciado por clássicos como Renoir, Picasso, Gauguin e Van Gogh. Hahnemann também integrava o quadro de alunos dos cursos de artes oferecidos pela Pinacoteca do Estado (então localizada no prédio da Biblioteca Pública do Estado), o que o levou a participar da 2ª Feira de Artes Plásticas do Amazonas, produzida pelo Clube da Madrugada, um dos mais conhecidos grupos culturais da cidade, tendo como integrantes, em sua maioria, homens brancos de classe média e alta.

Durante a participação na Feira, impactou todos os presentes com o icônico quadro “Cafuné”, que lhe rendeu o primeiro lugar na categoria de pintura. A obra mostrava duas mulheres caboclas, uma fazendo cafuné na outra, o que é popularmente conhecido como catação de piolhos. A representação dessas figuras femininas, com suas formas, cores, sombras e todo o cenário amazônico ao redor chamou a atenção do português Álvaro Páscoa (1920-1997), professor, artista plástico e integrante do Clube da Madrugada, que logo se apaixonou perdidamente. “Eu achei o quadro rigoroso para um menino daquela idade. Embora tecnicamente não fosse perfeito, ele já tinha captado a alma do povo […] Eu vi que ele realmente tinha muito valor”, disse Álvaro em 1965 no curta Um pintor amazonense.

“Eu achei o quadro rigoroso para um menino daquela idade. Embora tecnicamente não fosse perfeito, ele já tinha captado a alma do povo. Eu vi que ele realmente tinha muito valor”

Álvaro Páscoa
-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

Desde o primeiro momento, os dois se tornaram cúmplices numa relação descrita por pessoas em volta como de pintor e mestre, vice e versa. Álvaro, então, tomou para si os cuidados artísticos com Hahnemann e o conduziu em uma escola intimista onde o jovem pintor se sentiu orientado, enquanto o professor se orgulhava de sua “descoberta”.

De acordo com a professora da Universidade do Estado do Amazonas Luciane Páscoa, autora do livro As Artes Plásticas do Amazonas, nora e pesquisadora da obra de Álvaro Páscoa, Hahnemann iniciou os estudos com seu conselheiro quando ainda era muito jovem e naturalmente incorporou algumas formas e particularidades de Álvaro, um artista mais maduro. Isso fortaleceu a semelhança entre as obras dos artistas. “Por um período, a gente verifica essa aproximação artística dos dois. Mas, ao longo dos anos, Hahnemann vai se descobrindo mais como pintor e tendo sua individualidade na pintura, enquanto Álvaro era e continuou sendo prioritariamente escultor e gravurista. Logo, seus desenhos eram mais pensados no resultado de uma escultura do que propriamente uma pintura”, explica Luciane, reiterando que algumas obras de Álvaro já foram e talvez ainda estejam referenciando o jovem artista erroneamente.

Matéria no O Jornal sobre o concurso que Hahnemann ganhou como melhor artista de pintura
Matéria no O Jornal sobre o concurso que Hahnemann ganhou como melhor artista de pintura Acervo Biblioteca do Estado/Reprodução

Após a premiação, Hahnemann participou de inúmeros concursos de arte, tornando-se uma referência artística na cidade, o que lhe garantiu uma vaga como membro do Clube da Madrugada e, mais tarde, o cargo de professor de desenho na Pinacoteca. Naquela época, ele também fazia quadros sob encomenda para amigos, empresários, advogados e repartições públicas.

Ao longo dos anos e após a estreia com “Cafuné”, Hahnemann teve muitas de suas obras aclamadas, como no caso de “Miséria”, “Mulheres do Bananal” e “Mãe do Corpo”, além de criações em esculturas, xilogravuras e desenhos. É possível enxergar em suas produções a crítica social, a dor e a realidade amazônica, com personagens retratados de modos cada vez mais realistas, longe de estereótipos. No entanto, é difícil pontuar com exatidão a marca de Hahnemann como artista da maneira como ele se enxergava, muito por conta da escassez de informações em referências bibliográficas, entrevistas e também porque grande parte das fontes que conviveram com ele eram de um local de fala diferente do seu. Em meio a isso, surgem inúmeras opiniões, tanto concordantes como contrárias.

-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

“Realmente é uma dificuldade muito grande recuperar a memória e a trajetória de um artista. Arte é uma questão de olhar, quem não viveu a história foi reconstruir uma parte dela por meio de fontes. Tudo o que sei é por meio da minha experiência acadêmica, minha familiaridade com a história da arte, comparando obras e panoramas de interpretações. É claro que quem é da área e tem contato frequente com as obras dele ou tem acesso por leituras vai ter um impacto. Quem conviveu com ele ou conheceu de perto a história, vai ter outro”, disse Luciane, que referencia Hahnemann como expressionista em seu livro.

“É claro que quem é da área e tem contato frequente com as obras dele ou tem acesso por leituras vai ter um impacto. Quem conviveu com ele ou conheceu de perto a história, vai ter outro”

Luciane Páscoa
-
Roberto Kahane/Fotografia

Expressionismo amazônico

Em contraponto à então expressão de Hahnemann, surge a opinião do artista plástico e curador amazonense Óscar Ramos (1938-2019), um dos maiores adoradores do trabalho do jovem pintor, sendo inclusive responsável pela curadoria na sala na Pinacoteca do Amazonas que abriga as obras de Bacelar até hoje. Óscar, natural de Itacoatiara, também no Amazonas, passou mais de 30 anos trabalhando no Rio de Janeiro, onde fez parte de projetos artísticos como capas de discos para Gal Costa e Caetano Veloso, direção de arte nos filmes O gigante da América, Escorpião Escarlate, pelo qual ganhou o Kikito de Ouro, Menino do Rio e tantos outros.

Continua após a publicidade
-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

Em Manaus, trabalhava como curador do Museu da Cidade. Meses antes de falecer, em decorrência de um acidente vascular cerebral, ele aceitou falar em entrevista sobre a obra de Bacelar, alguém que o fascinava. “Hahnemann começou a vir no meu pensamento em 1996. As pessoas já falavam muito sobre ele, e, quando vi o ‘Cafuné’, achei uma coisa fantástica. Foi a dinâmica da pintura, uma mulher catando a outra, como um ato de sociedade extremamente primitivo. Não no sentido da brutalidade, mas da inocência. Cafuné é um ato de carinho, algo sociável, acho que a maneira como está pintado é extremamente agressiva em relação à ação”.

Óscar afirma também que, na primeira vez que viu o quadro “Três Mulheres”, seu queixo caiu. Ele tinha um princípio expressionista, fruto da época em que trabalhou com o artista plástico brasileiro Ivan Serpa. A expressão amazonense, vista na representação da fauna e da flora amazônica o impressionava, mas ao ver a criação de Hahnemann, retratando a essência de mulheres um tanto como deusas, sua visão mudou. “Tenho um amor enorme pelo Hahnemann, e eu não acho que ele seja um expressionista como eles todos dizem. É lógico que ele usa a força da expressão que está nele, da mesma forma que está na maioria dos artistas amazonenses. Mas não sei porque quem tem essa força indígena, que eu amo de paixão, é expressionista. Fico atormentado com essa dúvida que eu não consigo resolver. Também acho que ele nem se interessava nisso de formular as questões de ética, raça e etnia que os críticos dizem. Acho que eles põem palavras na boca dele”, comentou Óscar.

-
Roberto Kahane/Fotografia

Os dois artistas nunca chegaram a se conhecer pessoalmente, apenas por meio de conhecidos, quando elogiavam os trabalhos um do outro. Ao falar sobre Hahnemann, Óscar coloca na conversa sua subjetividade e experiência artística, mas, como todos, não deixa de se mostrar instigado pela obra de um jovem que foi deixando uma indecifrável e potente reação em todos que as viam. “Hahnemann possivelmente é o único artista plástico amazonense que dá margem para um ensaio da mesma maneira como Octavio Paz fez sobre a obra de Picasso. Infelizmente, ele não chegou a fazer o que pretendia, a obra dele é incompleta, mas não por ineficiência dele. É incompleta, para nossa desgraça e tristeza”.

A marca de fogo dos que tem que dedicar sua vida a uma obra com o fatalismo de quem crê no destino”

É impossível não citar como parte da história de Hahnemann o curta-metragem de 1965, Um pintor amazonense, produzido por Alberto Kahane e Felipe Lindoso, e estrelado por Bacelar. Com um quadro seguro em suas mãos e ao som da terceira “Gymnopédie”, de Erik Satie, Hahnemann caminha pela calçada da então sede da Prefeitura de Manaus, distante apenas alguns metros do porão do Palácio Rio Branco, local onde sua mãe Adélia, zeladora do prédio, criava sozinha seus cinco filhos.

No filme, é possível ver um pouco da rotina do jovem, incluindo a relação com a mãe, o dia a dia com os irmãos e os estudos com Páscoa. As dependências da moradia da família, que também servia como ateliê, são partes cruciais dessa documentação visual que teve como propósito expor a realidade de um artista que, mesmo sem estudos em grandes escolas de arte, se tornou um premiado e reconhecido pintor, quebrando as barreiras de sua própria realidade.

Roberto Kahane, cineasta manauara e personagem ímpar na história do movimento cineclubista no Amazonas, disse em entrevista que Hahnemann criou em suas obras um amarelo único, uma verdadeira “cor amazônica, cheia de contraste e um certo amargor”. A proximidade com o amigo e confidente e o encanto pela história de vida do pintor impulsionou a produção do curta, que também foi visto por Kahane como uma tentativa de aumentar a visibilidade. “Conheci o Hahnemann por meio das sessões do cineclube, e ele começou a se aproximar do meu grupo naturalmente. Logo ficamos curiosos para ver o trabalho dele, o que ele estava fazendo… Aí, foi amor à primeira vista. Ele estava a anos-luz de tudo o que se produzia, era um brilho de artista. Tínhamos então que mostrar a realidade do nosso amigo. Se ele estivesse no Rio de Janeiro ou em São Paulo, a história dele seria outra!”, disse Kahane.

“Ele estava a anos-luz de tudo o que se produzia, era um brilho de artista. Tínhamos então que mostrar a realidade do nosso amigo. Se ele estivesse no Rio de Janeiro ou em São Paulo, a história dele seria outra!”

Roberto Kahane

A relação entre os amigos era tão próxima que, em 1968, Roberto pediu ao pai para que ele e Hahnemann fossem até a casa de férias da família Kahane em Copacabana, no Rio de Janeiro, para passar uma temporada de férias. Durante a viagem, aproveitaram para conhecer a cena artística da cidade, e foi em meio a esses lugares que Hahnemann descobriu um novo mundo. “Teve uma noite em que ele chegou no bar Fiorentina, na Avenida Atlântica, onde já conhecia visualmente um ou outro artista. Ele se transformou, se deslumbrou com aquilo tudo, e ao se integrar, mostrando fotografias de trabalhos, ele encantou muita gente”, relembrou Kahane.

Além da troca de experiências, novos ares e amizades que fez no Rio de Janeiro, Hahnemann provavelmente teve ali seu primeiro contato com drogas mais pesadas – de acordo com relatos de parentes e amigos, ele só usava maconha em Manaus. Kahane não confirma o uso de drogas no Rio, mas conta que a viagem foi uma das últimas conexões entre eles. “Nós vivíamos numa época de liberação e a droga rolava solta, tinha a contracultura que acontecia no mundo inteiro, aquela coisa toda da juventude. Na estadia dele na casa do Rio, eu notava que ele já tinha as programações dele e ele tinha também a chave do apartamento. Ele ficou tão à vontade que eu voltei para Manaus e ele ficou mais um mês ou dois por lá, em um lugar que ele arranjou. Voltou pouco tempo depois e eu praticamente perdi contato nessa época. Ele ainda aparecia em apresentações do cineclube, mas eu só fui saber dele novamente quando soube da morte. Fiquei muito mal”, relembra Kahane com profunda emoção.

-
Roberto Kahane/Fotografia
Continua após a publicidade

Contracultura e volta para o Rio

O ano da viagem ao Rio foi um dos mais importantes na vida do artista. Hahnemann mudou completamente sua visão sobre o que era arte e logo se sentiu insatisfeito com o que produzia, querendo então retirar de sua construção artística o academicismo que herdou de Páscoa, apostando em outros tipos de manifestações artísticas que não fossem apenas expressadas por meio de quadros em paredes.

Foi exatamente nessa época que o movimento da música brasileira, a repressão das forças ditatoriais no Brasil e o surgimento da Zona Franca de Manaus se colidiram, registrando a máxima influência para o pensamento da contracultura não só em Hahnemann, mas em outros jovens artistas de Manaus. Um deles foi o artista plástico e professor Sérgio Moura. Residente há mais de quatro décadas no Paraná, Moura aprendeu a pintar sozinho, mas procurou as aulas na Pinacoteca para ampliar seus horizontes. Foi lá que conheceu um Hahnemann mais maduro e questionador, focado em experimentações de arte mais contemporâneas. “Considero o Hahnemann um dos artistas mais importantes de Manaus e, para minha sorte, convivemos intensamente. Quando o conheci, ele já era um artista consagrado, consolidado. Eu via nele uma referência de conteúdo acadêmico forte, baseado nos estudos com o Álvaro. Ele dava aulas, mas já estava desinteressado em tudo aquilo que vivia”, conta Sérgio.

Álvaro Páscoa (segundo à direita) e Hahnemann (na ponta da mesa, à direita) no Ideal Club, em Manaus
Álvaro Páscoa (segundo à direita) e Hahnemann (na ponta da mesa, à direita) no Ideal Club, em Manaus Blog do Rocha/Reprodução

Sérgio e Hahnemann se tornaram grandes amigos. Se completavam entre diálogos sobre a nova arte, os novos movimentos culturais, as influências do rock e o pensamento hippie. Moura contou ainda que os dois fumavam maconha e, por conta disso, foram marginalizados e recriminados por onde passavam. Ele afirma ainda que o preconceito era maior com Hahnemann, que sempre sofreu com o racismo “velado” por pessoas da elite cultural, mas que tudo se intensificou no movimento hippie.

Durante esse período, entre o final da década de 1960 e o começo de 1970, Hahnemann passou a entrar em conflitos com seu pai artístico. Bacelar queria direcionar sua arte para um viés progressista, algo que Álvaro não aprovava, assim como seu uso frequente de drogas. Além disso, Sérgio contou que Hahnemann andava frequentemente depressivo pela forma como a cena artística o tratava em Manaus, questão essa que quase não é citada em relatos escritos e orais sobre o artista. “Esse é um ponto crucial, emergente e existente até hoje no Brasil. Ele vivia num meio que, embora fosse respeitado como artista, ele não era respeitado como pessoa. O Clube da Madrugada e o meio cultural da arte em Manaus era elitizado. Por isso, embora ele tivesse um interior muito rico em conteúdo, ainda era alguém que não tinha estudado, que era inculto. A mãe dele era servente do palácio, ele era negro, tinha black power… Pessoas assim eram discriminadas”, conta.

“Esse é um ponto crucial, emergente e existente até hoje no Brasil. Ele vivia num meio que, embora fosse respeitado como artista, ele não era respeitado como pessoa”

Sérgio Moura
-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

Para Sérgio, Hahnemann começou a sofrer com a “mentalidade provinciana de Manaus”. Ele rompeu de vez com o Clube da Madrugada e com Páscoa, o que também tornou seu processo emocional cada vez mais frágil. “Depois que ele amadureceu, foi para o Rio e viu que a arte ia dar uma guinada boa, sair do suporte físico, do quadro, da pintura. Já não bastava mais ser chamado de Gauguin da Amazônia, como disse um dia Gabriel García Márquez” (Apesar de popular, a referência é apontada em um estudo acadêmico como divergente, num quesito de estudos de comparação de obras).

Algum tempo depois, na busca por novos ares artísticos e parte de movimentos culturais recém-nascidos no Brasil, os amigos decidiram fazer uma viagem definitiva para o Rio de Janeiro, ocasião em que Hahnemann encontraria novamente sua inspiração como artista.

“A viagem quem programou fui eu, e conosco tinha também o Plininho [Plínio Ramos Coelho Júnior, filho do então ex-governador do Amazonas]. Inicialmente, como o Hahnemann estava em uma depressão, fiz a programação apenas com o Plínio. O primeiro passo era ir de barco de Manaus para Belém, em Belém pegar um ônibus para Brasília e de lá chegar ao Rio. Teríamos um apartamento à nossa espera, que era da mãe do Plínio.”

Pouco antes do dia da viagem, Hahnemann, que costumava sumir por semanas de casa e da casa dos amigos, reapareceu. Ele passava semanas com uma namorada chamada Lúcia, que foi procurada pela reportagem mas preferiu não se manifestar. Sérgio contou que ela reprovava a ida de Hahnemann na aventura com os amigos. Mesmo assim, ele foi. “Hahnemann reapareceu doente, com febre, deprimido, um tanto anêmico. Perguntei o que houve, mas como ele era fechado, não respondeu. Passou a viagem calado. Meu grande erro foi levar ele em vez de ter o deixado em Manaus”, relembra Sérgio.

Hahnemann levou alguns desenhos ditos por Sérgio como figurativos e deformados, que evocavam imagens de músicos como Janis Joplin e Jimi Hendrix, artistas que ele tanto se inspirava. Além disso, levou um saco de telas pequenas 20 cm x 12 cm, tinta a óleo e pincéis, pois como a viagem seria longa ele e os amigos pretendiam ganhar algum dinheiro. “Depois de cinco dias de barco, chegamos a Belém. A ideia era dormir ali e pegar um ônibus para Brasília no dia seguinte. No entardecer, aparece um homem na rodoviária que se diz tio dele. Eles se reconheceram na hora e logo o homem o convidou para jantar na casa dele”, relembrou, afirmando que naquele momento ele e Plínio tiveram uma sensação estranha.

Na rodoviária, somente Hahnemann decidiu ir com o parente. Os amigos permaneceram no lugar, onde esperariam ele no dia seguinte. Ao amanhecer, viram que Hahnemann ainda não estava lá, e após algum tempo de aguardo leram em um jornal da cidade uma notícia que abalaria todos naquele fevereiro de 1971. “Descobri o paradeiro dele no jornal do dia, numa notícia sobre uma discussão em uma casa sobre corte de cabelo… Ele tinha um cabelo como o da Angela Davis. Peguei um táxi e fui com o Plínio até onde tinha acontecido e havia um velório lá, não sei se dá avó ou do tio dele. No jornal, dizia que ele tinha se suicidado depois de matar os dois, mas alguém me contou em Manaus, anos depois, que só morreu o tio”, disse Sérgio.

Notícia no A Crítica de Manaus, dias após a tragédia em Belém
Notícia no A Crítica de Manaus, dias após a tragédia em Belém Acervo Biblioteca do Estado/Reprodução

Ainda dentro do carro, conversando com pessoas que estavam no local, os amigos souberam que o corpo de Hahnemann teria ido ao Instituto Médico Legal (IML) de Belém. Sérgio e Plínio não ficaram no local e não quiseram se identificar como amigos por conta de uma possível responsabilização e retenção na cidade para prestar depoimento, além de estarem abalados.

“Ficamos em choque, mas depois começamos a nos situar. No meu caso, era mais ‘confortável’, mas o Plínio era filho de governador… Hoje, acho que fizemos a coisa certa, não faria diferente. Voltamos, então, para a rodoviária e fomos direto para Brasília, onde ficamos alguns meses”, disse, mencionando que Plínio acabou falecendo em Manaus, anos depois, em um acidente de automóvel.

No Amazonas, a morte de Hahnemann e a notícia do homicídio de seu tio, Raimundo Nonato Aguiar, foi notícia nos jornais que por anos publicaram matérias sobre suas obras. Um breve nota no jornal A Crítica conta que Hahnemann matou Raimundo à tesouradas depois de quebrar o televisor da casa a socos. Ele teria ferido também a avó e tentando golpear pessoas que passavam na rua. Em seguida, ele se feriu com tesouradas e acabou falecendo minutos depois numa clínica da Belém, onde também estava o corpo do tio.

Continua após a publicidade

O pai de Hahnemann era de Belém e havia voltado para a cidade quando o artista ainda era pequeno, deixando os filhos e Adélia para começar uma nova vida. Os dois não tinham contato e, de acordo com a família de Hahnemann e amigos próximos, ele não tinha intenções de procurá-lo – informação esta que é contestada pelos relatos deixados por Álvaro Páscoa.

Após a tragédia, a namorada de Hahnemann foi até a cidade para liberar o corpo. Anos após a morte do artista, Álvaro Páscoa conseguiu com que o Governo do Amazonas fizesse o translado dos restos mortais. Atualmente, Hahnemann está enterrado em Manaus, no Cemitério São João Batista. No folheto quinzenal de arte do Clube da Madrugada, que saiu dias depois de sua morte, não houve nenhuma menção a ele.

-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

Fatos ou especulações?

Hahnemann não tinha um temperamento explosivo – pelo contrário, seus amigos diziam que ele era uma pessoa recolhida, que não era de briga e nem de violência. Sérgio Moura conta que, ao contrário das conversas que surgiram em Manaus, o artista não tinha usado nenhuma droga naquele dia. “Ele estava limpo, e doente também. Abatido, não comia. Tudo pareceu estranho psicologicamente falando. Podemos pensar que pessoas voltadas para dentro são mais perigosas, não acha? Porque quando alguém se mostra, a gente faz um retrato dessa pessoa, sabe o que pode acontecer. Mas quem não se mostra…”, refletiu.

“Esse é um ponto crucial, emergente e existente até hoje no Brasil. Ele vivia num meio que, embora fosse respeitado como artista, ele não era respeitado como pessoa”

Sérgio Moura
-
Blog Rocha/Reprodução

Depois da morte do artista, com apenas 22 anos de idade, a cena da arte em Manaus começou a levantar especulações um tanto lendárias sobre o que de fato aconteceu. Óscar Ramos, por exemplo, soube informações por meio de uma amiga que nem mesmo foram apuradas nos jornais da época. “Soube que ele estava paranoico e que, numa dosagem qualquer de drogas, ele tinha se suicidado com uma tesourinha de unha. C’est fini”.

Em 2018, o cineasta amazonense Sérgio Cardoso lançou o documentário Hahnemann Bacelar por Adélia – A mãe conta o artista, no qual entrevistou Adélia Bacelar e mostrou um pouco da história de Hahnemann, de suas obras e o contexto de Manaus na época em que ele viveu, trazendo ainda informações inéditas da família de Hahnemann sobre o dia do crime.

De acordo com Adélia, o pai de Hahnemann foi o primeiro a saber da morte do artista, mas nem ao menos olhou o corpo do filho no IML. Ela diz ainda que, naquele dia, teve uma espécie de visão do jovem, que anunciou a morte para a mãe. “Eu estava me embalando na rede, quando eu vi abriu a porta, que estava encostada, e aparece o Hahnemann. Ele disse, ‘mamãe, eu só fui me acabar’… Sinto que essa tristeza ainda não sai de dentro de mim. Eu era louca por ele, tudo que ele fazia era a coisa mais linda do mundo, e hoje estou aqui, com idades muito altas, mas não esqueço ele”, disse Adélia no documentário.

Ela afirmou que ninguém em Belém tinha provas concretas de um assassinato, pois na casa só estavam Hahnemann, o tio e a avó. De acordo com Eliezer Bacelar, irmão de Hahnemann, a família recebeu inúmeras cartas da avó. Em uma delas, ela pedia perdão de Adélia; em outras, dava a entender que uma terceira pessoa teria matado Hahnemann naquele dia. “Ele foi morto com uma tesoura que atravessou o corpo dele inteiro, não teria como ele ter feito isso sozinho. Pode ter sido que uma pessoa, vendo tudo o que estava acontecendo naquela situação, acabou golpeando ele, que já estava machucado no chão. Não soubemos até hoje a motivação ou explicação do que aconteceu naquele dia, nunca nem houve investigação. Com certeza a história é até hoje mal contada”, disse Eliezer, afirmando que a família não acredita que a verdade do caso tenha sido a mesma escrita nos jornais da época.

“Sinto que essa tristeza ainda não sai de dentro de mim. Eu era louca por ele, tudo que ele fazia era a coisa mais linda do mundo, e hoje estou aqui, com idades muito altas, mas não esqueço ele”

Adélia Bacelar
-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

A matriarca acabou vendendo todas as obras do filho para a Secretaria de Cultura do Amazonas, pensando na preservação das peças. A família morou cerca de 10 anos no Palácio até se mudarem para outra casa, localizada na Zona Centro-Sul de Manaus. No local, a única criação de Hahnemann que restou foi um mural na parede, que está até hoje em seu antigo quarto. Adélia faleceu no carnaval de 2019, no mesmo período em que as pesquisas para essa reportagem se iniciaram.

Em um de seus retornos a Manaus, décadas depois da perda do amigo, Sérgio Moura levou para Manaus e vendeu ao Governo do Estado alguns dos últimos desenhos de Hahnemann, que ficaram com ele em Belém. “São desenhos amadurecidos, traços seguros, decididos, só faz quem tem domínio da figura humana e ele tinha. Ficaram comigo mais de 20 anos e levei pra onde deveria, mas não ia deixar de graça porque, no fundo, o Estado foi responsável pelo que aconteceu, ele morreu por um conjunto de fatores”, disse.

Sérgio nunca havia sido procurado para falar sobre o episódio em Belém até hoje, e a família de Hahnemann diz que ele também nunca os procurou para falar sobre o que aconteceu. Ele conta que houve um pensamento por parte de algumas pessoas de que ele teria sido o culpado pelo que aconteceu. “[Dizem] que, quando ele me conhece, abandona a frequência na Pinacoteca e passa a fumar maconha. Não tinha a ver comigo. Apesar de talentoso, ele era cheio de problemas. Poderia ser uma tragédia anunciada? É possível pensar assim, de uma forma ou de outra poderia acontecer, num extravasamento de uma força interior selvagem que você não consegue conter e nem preservar”, comentou.

As muitas perguntas sem respostas abrem precedentes para variáveis opiniões, ainda mais porque as reais circunstâncias do que ocorreu não foram apuradas com exatidão. De acordo com artistas e parentes, toda a situação do crime, atrelado ao racismo e ao preconceito que já existia quando Hahnemann era vivo, contribuiu para seu apagamento dele como artista preto visionário e importante para a arte amazonense.

Prova disso é o desconhecimento da existência de Hahnemann por grande parte da população manauara atualmente. “Ele se popularizou pela história ao invés da obra, ainda há muito preconceito e isso sobrepõe o valor artístico. Durante as pesquisas para o meu livro, um colega do Hahnemann que estudou na Pinacoteca e hoje é professor universitário, mencionou que quiseram acabar com o ele, que houve de alguma forma uma anulação. O resgate histórico e a questão dessa morte é algo pertinente”, disse Luciane Páscoa.

“Ele se popularizou pela história ao invés da obra, ainda há muito preconceito e isso sobrepõe o valor artístico. O resgate histórico e a questão dessa morte é algo pertinente”

Luciane Páscoa

Roberto Kahane acredita que a falta de visibilidade também exista pela inveja e pela fama de drogado. “Isso é inveja de homenagear um garoto que usava drogas, um possível assassino. É uma coisa tão menor que não vale a pena. Ele se ressentia mesmo em passar fome por não darem valor para a arte dele. Às vezes, jogavam piadas tipo ‘mataste a fome chupando tubinho de tinta’, e ele só ria, era um menino de uma alma bela, uma obra excepcional. Espero que deem mais relevo a ele”, comentou Kahane.

É possível notar em documentações visuais que, até os 20 anos de idade, quando Hahnemann não deixava os cabelos crescerem, ele era descrito como comportado e tímido. Pouco antes de sua morte, quando assumiu seu black power e passou a incorporar o pensamento hippie e da contracultura, foi associado a uma pessoa pobre, drogada e marginal. “Não é o Brasil que se revelou hoje? Sempre foi assim, preconceito contra pobres, negros, artistas, falando que arte não presta. Por onde passávamos naquela época éramos agredidos. Tínhamos cabelos grandes, andávamos descalços, era uma escolha pelo movimento hippie”, contou Sérgio.

“Não é o Brasil que se revelou hoje? Sempre foi assim, preconceito contra pobres, negros, artistas, falando que arte não presta. Por onde passávamos naquela época éramos agredidos”

Sérgio Moura
Continua após a publicidade

Além de tudo, a memória

Keila Serruya é artista, produtora de audiovisual em Manaus e está à frente do projeto artístico transmídia ‘Direito à Memória’, em que se reivindica a memória de pessoas negras importantes para o Amazonas, utilizando esse resgate como contrafluxo do racismo institucionalizado evidente no Estado.

Apesar de não ter vivido na mesma época de Hahnemann e não conhecer profundamente as obras do artista, ela afirma que o mercado da arte é em si racista e excludente, e que ser negro e do norte do Brasil são questões suficientes para entender a dificuldade na caminhada profissional de um artista. “Pelas poucas imagens de Hahnemann existentes na internet, já é perceptível que ele é um homem não branco, e para uma sociedade racista como a nossa, afirmar sua negritude é desqualificá-lo. Muitas pessoas em nosso Estado acham que são brancas por não terem a pele retinta. No Amazonas, o racismo é vivo e muito bem estruturado, uma calamidade que deve ser modificada de todas as formas, nas escolas, nas ruas, na arte. Confrontar essas ideias é um de meus propósitos atuais, não há como ser estrangeiro nesse território que também me pertence”, comenta Keila.

“No Amazonas, o racismo é vivo e muito bem estruturado, uma calamidade que deve ser modificada de todas as formas. Confrontar essas ideias é um de meus propósitos atuais, não há como ser estrangeiro nesse território que também me pertence”

Keila Serruya

Até hoje, quando imagina-se uma possível trajetória artística caso ele estivesse vivo, sugerem-se as ideias e caminhos trazidos pelo Tropicalismo. É impossível ter exatidão por ser uma aposta, mas também porque Hahnemann não produziu muitas obras – foram menos de 100, de acordo com especulações de curadores em Manaus. Atualmente, muitas de suas criações estão expostas na Pinacoteca, que fica localizada no Centro de Manaus. Algumas estão guardadas no acervo do Estado e outras seguem em acervos privados espalhados pelo Brasil.

O Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas levava o nome de Hahnemann desde 1992, mas isso mudou há poucos anos. Até onde se sabe, a única homenagem a ele em um local público da cidade é em uma escola municipal da cidade, localizada no bairro Flores. “Toda vez que eu olho para aquelas mulheres [dos quadros de Hahnemann], fico num estado de transe. Quando Robério Braga [antigo Secretário de Cultura do Amazonas] fez a bienal de artes no Centro Cultural Povos da Amazônia, a curadora Cléia Vianna criou o roteiro das exposições e fez um trabalho esplendoroso criando a sala Hahnemann Bacelar. Você poderia estar no Louvre e não faria diferença, ela fez os amazonenses olharem pro Hahnemann de uma maneira diferente”, relembrou Óscar Ramos, que, em algumas de nossas conversas, me incentivou a tocar nas obras de Hahnemann para sentir o relevo das tintas, contrariando o correto em museus.

Nos anos 2000, Roberto Kahane recebeu um pedido de digitalização de alguns de seus filmes antigos. Nesse dia, teve o que afirma ser ‘uma ligação com acontecimentos da existência’. “Eu escorei na estante e caiu uma lata com um rolo de filme, e era o filme do Hahnemann. Eu olhei, senti um certo arrepio, e botei no lugar. No mesmo dia, recebo um telefonema do Robério Braga para fazer uma digitalização de filmes meus. Foi uma ligação espiritual, coincidência não existe. O Hahnemann bateu naquela lata que caiu na minha cabeça. Se tem uma explicação extrassensorial, eu não sei”, diz Kahane.

O curta de Kahane e o documentário de Sérgio Cardoso são exibidos até hoje em projeções feitas organizadas pela Secretaria de Cultura do Estado em locais públicos da cidade. Em 2019, Um Pintor Amazonense foi um dos escolhidos para a Mostra de Cinema de Ouro Preto. “A história é uma coisa viva, vai sempre trazendo novos elementos. Espero que mais pessoas analisem a obra, o ponto de vista acadêmico. Todos têm muito com o que se identificar. Há com certeza a possibilidade da popularização, um processo de educação patrimonial em especial para os cidadãos de Manaus”, comentou Luciane Páscoa.

Até seu falecimento Álvaro Páscoa teve contato direto com a família Bacelar, em especial com a matriarca da família. Dois dos irmãos de Hahnemann trabalham atualmente com cultura. Eli Bacelar é pintor e participa de exposições de arte em diversas cidades do Brasil, com foco em catálogos. Eliezer trabalha há muitos anos no Teatro Amazonas como chefe de iluminação.

Há dois anos, conheci Eliezer por acaso, quando vendi a ele um violão via grupo no Facebook. Ele foi até minha casa buscar e trocamos algumas conversas e sorrisos. Manaus, para os manauaras, é “um ovo” de tão pequena quando encontros como esse acontecem. Mas, contrariando essa afirmação, a cidade sempre se mostrou como um espaço gigantesco em questão da arte, cultura e história, algo que nunca deve ser deixado à mercê da passividade, do preconceito e do esquecimento.

Continua após a publicidade

Contribuíram para a reportagem: Joaquim Melo, Sérgio Rodrigues, João Ricardo Campos

mais de
expressão
DJ de sucesso, Eli Iwasa fala sobre a reabertura de sua casa noturna, Caos, no formato de bar, e sobre o novo normal da música eletrônica
Acessando histórias para potencializar memórias afetivas negras
Na terceira reportagem sobre o gênero musical no Maranhão, uma atriz pornô americana vira hit de sucesso
2LK_ELASTICA_1

Elas fazem cinema. No Instagram 

Por
As irmãs Thalita e Gabriela Zukeram, do duo Two Lost Kids, encontraram na criação de conteúdo autêntica a receita para conquistar marcas e seguidores
LUCAS_BOOMBEAT0161-pb

Vai ter bicha no rap, sim

Por
O hip-hop brasileiro se abre finalmente para os rappers LGBTQIA+, com Rico Dalasam, Jup do Bairro, Quebrada Queer e Hiran