expressão

Retrospectiva: Dançar

A paixão pela cena brasileira da música eletrônica aumentou no ano em que não caímos na pista

por redação Atualizado em 7 jan 2021, 11h38 - Publicado em 29 dez 2020 00h53

A música eletrônica brasileira passava pelo seu melhor momento quando, em 2020, o coronavírus acabou com a possibilidade de passarmos uma noite dançando. A cena efervescia na esteira da luta pelos direitos individuais, no debate crescente sobre a legalização de substâncias psicodélicas em benefício da medicina, enquanto os artistas acompanhavam o ritmo com uma produção musical de altíssima qualidade.

Precisamos confessar: nós adoramos passar a noite dançando. Para nós e para todos os profissionais dessa indústria do entretenimento, o distanciamento social tem causado saudade das pistas.

2020 foi o ano de produzir mais músicas e de refletir os caminhos e as dimensões que o techno alcançou no país. E nós acompanhamos isso de perto dos artistas que mais gostamos. Confira:

-
Cabra/Divulgação

A pista como palco

Nenhuma artista da cena brasileira de techno converge melhor o underground e o pop como L_cio. Músico erudito desde a infância, encontrou um lugar diferente para sua flauta doce na música eletrônica. Astro das pistas das festas independentes e até do Rock in Rio, ele lançou nesse ano seu novo trabalho, Algo.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Filipe Redondo/Fotografia

Dançar em casa

A urgência de tocar bateu forte nos primeiros meses da quarentena, e as lives aumentaram vertiginosamente na internet. As festas independentes paulistanas pararam, mas seus criadores não deixaram de exibir talento pela internet. Nós acompanhamos algumas dessas transmissões.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
Larysss da Ayô
Larysss da Ayô Qu4anttum/Divulgação

A música eletrônica é negra

Assim como o rock ‘n’ roll, que teve suas origens negras apagadas quando o gênero musical se tornou um sucesso, a house music tem suas origens dentro de guetos nos Estados Unidos. Uma derivação da disco e do soul, a house hoje é um dos estilos mais lucrativos do planeta. Aqui no Brasil, alguns coletivos e artistas tentam resgatar essa identidade. Nós conversamos com eles.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Ghetto Kumbé/Divulgação

O futuro vem da Colômbia

Em uma pequena viagem aos nossos vizinhos, conversamos com o trio colombiano Ghetto Khumbé, que faz música eletrônica orgânica, misturando ritmos caribenhos e africanos em uma explosão sonora que leva ao transe.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Jorge Alexandre/Divulgação

Os fritos e uma porção de fritas

Pioneira do techno brasileiro e dona de uma das agendas mais disputadas do país, Eli Iwasa não só ficou sem tocar durante a pandemia, mas também não abriu sua casa noturna, o Caos. Como muitos outros empresários da noite, ela precisou se reinventar durante a reabertura da quarentena, transformando sua balada em um bar, com o público sentado – e comportado! – ouvindo seus Djs favoritos.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
40% foda/maneiríssimo/Divulgação

Experiências malucas com sintetizadores

Uma das mentes por trás do selo carioca 40% Foda/Maneiríssimo, Gabriel Guerra é um dos principais produtores de música eletrônica experimental da atualidade. Sem amarras eletrônicas e com muito bom humor, o produtor conversou conosco sobre música, a cena, e… Super Mario 64!

Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
expressão

Do Heavy Baile ao Drag Race

Por
O carioca Leandro Assis ganhou o mundo com seus letterings coloridos e estilo único. A conquista mais recente? O reality show mais amado do público LGBTQIA+

Edgar e seu tempo de crisálida

Por
Artes plásticas, novo livro, inúmeras lives e um novo álbum pautaram a quarentena do multiartista – e ele conta tudo aqui
Maria-Lucas_Nina-Fachinello_MG_9017-editada

Uma reflexão sobre maiúsculas

Por
Alice Marcone bateu um papo com a escritora Maria Lucas, primeira mulher trans a vencer o concurso Serrote de Ensaísmos, do IMS
2-playlist-bruno

Playlist: Elástica Roots

Por
O jornalista e expert em reggae Bruno Azevedo entrega os melôs e as canções de reggae perfeitas para embalar seu recesso
_RED5164-9

O olhar do estrangeiro

Por
O paulistano Gal Oppido encontrou na cultura japonesa uma afinidade antiga que se desdobra agora em livros e exposição em torno da arte erótica do país