expressão

Retrospectiva: Dançar

A paixão pela cena brasileira da música eletrônica aumentou no ano em que não caímos na pista

por redação Atualizado em 1 fev 2021, 15h38 - Publicado em 29 dez 2020 00h53

A música eletrônica brasileira passava pelo seu melhor momento quando, em 2020, o coronavírus acabou com a possibilidade de passarmos uma noite dançando. A cena efervescia na esteira da luta pelos direitos individuais, no debate crescente sobre a legalização de substâncias psicodélicas em benefício da medicina, enquanto os artistas acompanhavam o ritmo com uma produção musical de altíssima qualidade.

Precisamos confessar: nós adoramos passar a noite dançando. Para nós e para todos os profissionais dessa indústria do entretenimento, o distanciamento social tem causado saudade das pistas.

2020 foi o ano de produzir mais músicas e de refletir os caminhos e as dimensões que o techno alcançou no país. E nós acompanhamos isso de perto dos artistas que mais gostamos. Confira:

-
Cabra/Divulgação

A pista como palco

Nenhuma artista da cena brasileira de techno converge melhor o underground e o pop como L_cio. Músico erudito desde a infância, encontrou um lugar diferente para sua flauta doce na música eletrônica. Astro das pistas das festas independentes e até do Rock in Rio, ele lançou nesse ano seu novo trabalho, Algo.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Filipe Redondo/Fotografia

Dançar em casa

A urgência de tocar bateu forte nos primeiros meses da quarentena, e as lives aumentaram vertiginosamente na internet. As festas independentes paulistanas pararam, mas seus criadores não deixaram de exibir talento pela internet. Nós acompanhamos algumas dessas transmissões.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
Larysss da Ayô
Larysss da Ayô Qu4anttum/Divulgação

A música eletrônica é negra

Assim como o rock ‘n’ roll, que teve suas origens negras apagadas quando o gênero musical se tornou um sucesso, a house music tem suas origens dentro de guetos nos Estados Unidos. Uma derivação da disco e do soul, a house hoje é um dos estilos mais lucrativos do planeta. Aqui no Brasil, alguns coletivos e artistas tentam resgatar essa identidade. Nós conversamos com eles.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Ghetto Kumbé/Divulgação

O futuro vem da Colômbia

Em uma pequena viagem aos nossos vizinhos, conversamos com o trio colombiano Ghetto Khumbé, que faz música eletrônica orgânica, misturando ritmos caribenhos e africanos em uma explosão sonora que leva ao transe.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
Jorge Alexandre/Divulgação

Os fritos e uma porção de fritas

Pioneira do techno brasileiro e dona de uma das agendas mais disputadas do país, Eli Iwasa não só ficou sem tocar durante a pandemia, mas também não abriu sua casa noturna, o Caos. Como muitos outros empresários da noite, ela precisou se reinventar durante a reabertura da quarentena, transformando sua balada em um bar, com o público sentado – e comportado! – ouvindo seus Djs favoritos.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Continua após a publicidade
-
40% foda/maneiríssimo/Divulgação

Experiências malucas com sintetizadores

Uma das mentes por trás do selo carioca 40% Foda/Maneiríssimo, Gabriel Guerra é um dos principais produtores de música eletrônica experimental da atualidade. Sem amarras eletrônicas e com muito bom humor, o produtor conversou conosco sobre música, a cena, e… Super Mario 64!

Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
expressão
rico-dalasam-01

O Retorno de Rico Dalasam

Por
Depois de um hiato e um cancelamento, o rapper volta com novo álbum sobre afetividade de pessoas negras e relações interraciais
Pelo Brasil afora, drag amazônica chama a atenção para questões ambientais e sociais por meio de sua arte
Agnaldo Timóteo, cantor.

O último cantor do vozeirão

Por
Entrevistei Agnaldo Timóteo em 2018, mas apenas à luz de sua morte vejo essa conversa sobre homossexualidade e homofobia publicada
chorao03

A dualidade de um herói real

Por
Documentário "Chorão: Marginal Alado" mostra ambas as faces de um artista que marcou sua época sendo muito em todos os âmbitos de sua vida
No dia em que ele completaria 80 anos, Helio de La Peña, Jacy Lima, Yuri Marçal e outros humoristas refletem sobre o papel dos negros na comédia brasileira