experimentação

Guy Wood Sr., por trás das roupas dos grandes rappers

Enquanto Notorious BIG, Heavy D e Sean Combs cantavam sobre Versace e Gucci, a 5001 Flavors, criava roupas sob medida para os pesos pesados do hip-hop

por Danilo Romeiro Atualizado em 20 jun 2020, 14h45 - Publicado em 1 jun 2020 08h00
-
Estúdio Lambada/Ilustração

o final dos anos 1980, Guy Wood percebeu um padrão no mundo do hip hop. A cena estava tomada por artistas como Heavy D & The Boyz, E-40 e Prince Markie Dee. Em comum, além do estilo musical, existia a paixão por marcas de luxo… e o fato de que, à época, nenhum deles realmente podia usar produtos da Gucci ou da Versace.

Notorious B.I.G. eternizado com um modelo em veludo vermelho da Harlem Haberdashary
Notorious B.I.G. eternizado com um modelo em veludo vermelho da Harlem Haberdashary 5001 flavors @ instagram/Reprodução

Em 1991, Guy criou sua própria marca, a 5001 Flavors, para atender a essa clientela, que, assim como ele, havia sido excluída das tabelas de medida. Uma clientela com bom gosto e muito dinheiro pra gastar. “A ideia sempre foi essa, de ir atrás dos artistas e atletas grandes, caras que não conseguiam achar roupas em seu tamanho. Os maiores nomes da cena. E quando eu falo nos maiores, eu quero dizer literalmente”, conta Guy em seu ateliê no Bronx, onde trabalha ao lado de sua mulher, Sharene, e de boa parte de sua família.

Nascido e criado no Harlem, Guy Wood (hoje Sr.) tinha uma rede de contatos extensa, espalhada pela indústria musical. Decidiu começar a aparecer em sets de filmagem e gravadoras para se apresentar aos artistas pessoalmente e mostrar o potencial de um terno bem cortado. “Era muito fácil pra mim, porque eu era gordo, mas também era conhecido por me vestir bem. Esse sempre foi o meu diferencial e todo mundo sabia. Então, chegava nos sets já mostrando o que podia fazer. Eu era o modelo e sabia conversar com esses caras. De repente, eles já não queriam mais aquela garota magrinha falando o que era para eles vestirem, eles queriam as dicas de um cara como eles”, relembra Guy.

Desde então, muita coisa mudou, só que não…
Desde então, muita coisa mudou, só que não… Gucci/Reprodução

Ainda nesse começo dos anos 1990, o designer foi apresentado a Darold Ferguson. Entre algumas conversas, Guy deu sugestões para o que viria a ser o logo da Uptown Records, gravadora criada por Andre Harrell, ex-vice presidente da Def Jam, e que tinha contratos com Father MC e Mary J. Blige, fazendo com que a lista de clientes de Guy aumentasse.

Guy Wood Sr., impecável em terno branco, à frente de sua Harlem Haberdashary
Guy Wood Sr., impecável em terno branco, à frente de sua Harlem Haberdashary Harlem Haberdashery/Divulgação

Mauricinho no Harlem

Apesar da nova demanda, Guy nunca aprendeu a costurar. Nascido e criado no Harlem durante a explosão da cultura hip-hop, ele era filho de uma mãe costureira e de um pai que, “apesar de não entender nada de costura, estava sempre muito bem vestido”. Guy passou a infância acompanhando a mãe em lojas de tecido e armarinhos, aprendendo aos poucos a diferença entre os tecidos e caimentos, pesos e medidas. “De vez em quando, ela falava: ‘vai lá, escolhe um tecido, eu faço uma camisa’. Então, eu pegava tecidos diferentes e ela dizia: ‘isso é muito pesado para uma camisa, muito pesado para isso ou muito leve para aquilo’. E, no final, foi isso que mais aprendi, a importância do caimento”, conta.

“Era muito fácil pra mim, porque eu era gordo, mas também era conhecido por me vestir bem. Esse sempre foi o meu diferencial e todo mundo sabia”

Guy Wood Sr.

Se com a mãe ele aprendeu sobre tecidos, com o pai aprendeu a importância de ter estilo e atitude. Em meados dos anos 1970, ele buscava uma identidade própria, vestindo roupas com cores coordenadas, ternos jeans (da marca Lee) e camisetas de rugby ou polo. “Eu sempre gostei de pólos, porque elas oferecem uma ampla variedade de cores, então eu conseguia usar uma calça rosa com uma camiseta rosa pastel”, diz.

Eleito o maconheiro do ano pela High Times, Snoop Dogg vestiu 5001 Flavors na foto de capa da revista
Eleito o maconheiro do ano pela High Times, Snoop Dogg vestiu 5001 Flavors na foto de capa da revista Reprodução/Divulgação

Vendo que as pessoas gravitavam ao redor de seu estilo peculiar, que também incluía tênis K Swiss, moletons da Benetton e um estilo preppy, impensáveis para a realidade do Harlem nos anos 1970, Guy resolveu que aquele seria seu chamado: “Cresci vendo como as roupas afetavam minha comunidade. E, sabe, alguns caras jogavam basquete, mas eu não. Eu aprendi a me vestir bem. De repente, percebi que as mulheres gostavam disso, do estilo. Então, comecei a gostar ainda mais, mas realmente nunca fui para a costura. Eu gosto das ideias, do conceitual. Coloco as coisas na minha cabeça e vejo como tudo vai sair”, conta.

Em 1993, um antigo estagiário da Uptown Records chamado Sean John Combs (aka Puff Daddy, aka P. Diddy, aka Puffy, aka Diddy) resolveu abrir sua própria gravadora. “Nessa época, aparece de novo o Darold Ferguson, D Ferg, que também criou o logo da Bad Boy Records, e eu acabei indo lá conhecer o pessoal. O Darryl teve um filho que depois ficou famoso também, é o A$AP Ferg”, recorda o designer.

Ele anda meio sumido ultimamente, mas nos anos 1990, Puff Daddy reinava absoluto entre as celebridades glamourosas do hip-hop. Sente o estilo…
Ele anda meio sumido ultimamente, mas nos anos 1990, Puff Daddy reinava absoluto entre as celebridades glamourosas do hip-hop. Sente o estilo… 5001 flavors @ instagram/Reprodução

Na Bad Boy Records, Guy conheceu um de seus maiores clientes. Christopher Wallace, o Notorious B.I.G. Com quase 1,90m e passando dos 150kg, Biggie cantava sobre a Versace e usava os óculos escuros com o símbolo da medusa, mas antes da marca se render e criar peças sob medida para o cantor, quem fazia grande parte de seu figurino era Guy Wood Sr. e a equipe da 5001 Flavors.

Continua após a publicidade

O nome de Guy começou a aparecer em outros núcleos. “Nessa época, realmente entenderam que meu negócio era trabalhar para homens grandes e altos, então começou a aparecer um pessoal da NBA. A verdade é que eu sou um grande profissional do marketing. Olho, entendo, vejo que está faltando alguma coisa e vou em frente. Eu vi esse buraco, a Versace e essas grandes marcas não se importaram em ter pessoas grandes vestindo suas roupas. Então, eu estava lá de novo”, relembra.

“Nessa época, realmente entenderam que meu negócio era trabalhar para homens grandes e altos, então começou a aparecer um pessoal da NBA”

Guy Wood Sr.
No amor e nos negócios, Guy Wood em estilo de gala com sua esposa Sharene
No amor e nos negócios, Guy Wood em estilo de gala com sua esposa Sharene 5001 Flavors/Divulgação

Black power

Quando percebeu que seu nome não estava mais restrito à cena hip-hop, Guy e Sharene resolveram abrir a Harlem Haberdashery, loja localizada, obviamente, no Harlem, mais precisamente na casa do falecido líder dos direitos civis Malcolm X. A relação da família Wood com os direitos civis, aliás, vai muito além do endereço. Guy Sr. e Sharene receberam o prêmio Sylvia & Herbert Wood Scholarship Foundation e o prêmio Man with Vision, da Women in the Black. Guy também participa de painéis do Schomburg Center for Black Research e Dream Leapers, projeto que auxilia jovens negros a conseguir um espaço na indústria da moda.

“Minha esposa é minha parceira. Na vida e nos negócios. Eu entendo do design, do marketing, mas ela é muito boa em manter tudo junto. Sou uma alma criativa, mas se eu não tivesse ela pra me ajudar com os impostos e assuntos administrativos… estaria falido”

Guy Wood Sr.

“Minha esposa é minha parceira. Na vida e nos negócios. Eu entendo do design, do marketing, mas ela é muito boa em manter tudo junto. Sou uma alma criativa, mas se eu não tivesse ela pra me ajudar com os impostos e assuntos administrativos… estaria falido. Quero dizer, não haveria negócios sem ela, seria apenas eu e algumas ideias”, revela Guy.

Além da moda, a família Wood começou recentemente a se aventurar em novos negócios. Guy Wood Jr., filho de Guy e Sharene, convenceu a família a entrar no ramo das bebidas. Desde 2018, a HH Bespoke Spirits produz gim, vodca e rum. Agora, a família explora as ideias de Sharene, que tenta convencer Guy a entrar no ramo de produtos para casa. “Móveis, perfumes, lençóis e luminárias. Essa é a ideia da minha esposa”, conta Guy.

Trabalhando ao lado de sua mulher, dois filhos, irmãos e sobrinhos, o designer conta o segredo do sucesso para conseguir trabalhar com a família: “Respeito. Muito respeito, mas também fazer todo mundo entender o objetivo comum que é crescer. Ou só pagar as contas, mas tem que trabalhar. Se um primo quer um emprego, mas não quer trabalhar, ele nem vem”, simplifica Guy.

Praticamente um viciado: o DJ Khaled é daqueles que só veste Harlem Haberdashary
Praticamente um viciado: o DJ Khaled é daqueles que só veste Harlem Haberdashary Reprodução/Divulgação

Quando perguntado sobre suas criações favoritas, o designer deixa de lado nomes como Will Smith, LeBron James, Kobe Bryant e DJ Khaled (que, aliás, só usa 5001 Flavors) para focar no que ele considera mais importante: ternos de casamento. Seu senso de estilo, que ele chama de atemporal, leva o designer a contar sobre a importância de deixar as tendências de lado em momentos importantes da vida, momentos que “valem uma foto”.

Entre os maiores figurões do hip-hop, Jay-Z e Nas dividem o palco com as criações de Guy Wood
Entre os maiores figurões do hip-hop, Jay-Z e Nas dividem o palco com as criações de Guy Wood Reprodução/Divulgação

“Às vezes, as pessoas vêm aqui procurando algo novo, mas eu sempre digo a elas: ‘Olha, este é o seu casamento. Você vai ver essa foto daqui a 20 ou 30 anos. Quando você vê as fotos de seus avós, elas não tinham uma gravata borboleta gigante ou algo assim. O azul royal, que todo mundo adora hoje em dia, é uma cor linda mesmo, mas você tem certeza de que deseja um terno azul royal no seu casamento? Agora, se você quiser MESMO, eu te faço um, mas lembre-se de tirar algumas fotos em preto e branco, pelo menos para fingir que você é elegante’”, brinca.

Gostou? Então, se liga nessa playlist inspirada na reportagem:

Continua após a publicidade
mais de
experimentação
porno_twitter_ 13

Tesão nas redes

Por
O Twitter se tornou a rede social nº1 da putaria, principalmente para o público gay – e, para o bem e para o mal, vem moldando a sexualidade de jovens
daniel-kaleb

Maquiagem de garota?

Por
Homens se aventuram cada vez mais no mundo da maquiagem, desafiando padrões de masculinidade e abrindo portas para uma visão mais divertida dessa arte
_31A4844_1CG

O fim da cultura foodie

Por
E porque isso pode ser bom para a própria gastronomia no mundo todo
À frente da Dádiva há seis anos, Luiza Tolosa revoluciona o mercado da bebida através da inclusão
imagem_destaque-terpenos

Terpenos para abusar na cozinha

Por
Substâncias presentes na cannabis e em outras plantas aromatizam receitas e ganham espaço na gastronomia