expressão

Tão longe, tão perto

Russo Passapusso fala do disco do BaianaSystem com Gilberto Gil e sobre como se manter próximo durante o distanciamento social provocado pela pandemia

por Bruna Bittencourt 6 jul 2020 11h19
-
Clube Lambada/Ilustração

ão era para ser um disco, mas a pandemia fez com que se tornasse. Em novembro passado, o BaianaSystem se encontrou com Gilberto Gil, mesclando repertórios, diante de um público de 40 mil pessoas, em Salvador. Veio o verão e o Carnaval. “Saímos de um furacão, do Carnaval que fizemos em São Paulo, Fortaleza e Salvador, discutindo como faríamos nos próximos anos por conta da quantidade de gente. Imagine: o Baiana não poderia sair em determinados dias por causa disso”, lembra Russo Passapusso, vocalista da banda, à Elástica. Veio também a pandemia e, em meio o distanciamento social, é difícil imaginar um show do Baiana e toda a aglomeração que ele provoca. 

 

Com o isolamento, as lives pareciam o único caminho possível na cena musical, mas o grupo preferiu outro. “Não queríamos fazer formatos reduzidos. Somos um coletivo, uma banda”, diz Russo. “No caso do Baiana, é muito difícil a gente reproduzir [a sonoridade do grupo]. A gente não quer descaracterizar isso.”

No lugar das lives, o grupo lançou em abril dois álbuns: Futuro Dub, uma releitura no gênero jamaicano de O Futuro Não Demora (2019), terceiro disco da banda, premiado com um Grammy latino, e Gil Baiana Ao Vivo em Salvador, registro daquele show em novembro, que também ganhou edição em vinil, já esgotada, e um documentário sobre o encontro. “Quando rolou isso [a pandemia], logo veio na cabeça da gente: vai ser um dub e um ao vivo, o antagonismo. As pessoas vão mergulhar nessa cápsula que é o dub, instrumental, psicodélico, e vão para o show ao vivo”, conta. “É muito interessante ouvir um álbum ao vivo na situação que a gente está”, complementa o guitarrista Beto Barreto.  

Continua após a publicidade

Tudo indicava que o grupo teria outros encontros com Gil. “Ele estava no exterior, a gente estava indo para fora, íamos nos encontrar por lá, estava tudo desenhado”, conta Russo. As reuniões não aconteceram, mas nasceu assim o álbum. “É um disco alto astral, para cima, com os reggaes, os ijexás [ritmo nigeriano levado à Bahia por escravos africanos] e, ao mesmo tempo, é extremamente político na escolha das músicas. Gil pediu para tocar ‘Pessoa Nefasta’”, conta. “Eu tinha voltado a tocar esta música algum tempo atrás, nos últimos shows que fiz antes do nosso encontro”, disse Gil, na live – sem show –, que reuniu o compositor com Russo e Beto para um conversa sobre o disco.

A reunião de Gil com o Baiana, separados por décadas, mas com muitas influências em comum, lembra o encontro do compositor com Chico Science e Nação Zumbi, na metade da década de 1990, em shows e na gravação de faixas do segundo disco da banda pernambucana, Afrociberdelia (1996). “Isso sempre foi um grande elemento do meu trabalho. Esses laços intergeracionais estão sempre sendo refeitos, sendo levados adiante, é inevitável”, disse Gil na conversa. “Na música americana, isso é muito constante, a inglesa também tem muito disso. [Eric] Clapton e [Paul] McCartney estão sempre encontrando gente nova.” Entre seus intercâmbios, ainda jovem, com gerações mais velhas, Gil lista Riachão (1928-2020), Jackson do Pandeiro (1919-1982), Sivuca (1930-2006) e Baden Powell (1937-2000). 

-
Cartaxo/Divulgação

Reinventando  

Lançados os dois álbuns, a banda busca agora novas formas de produção para um novo disco, sem a obrigação e o imediatismo de lançamentos de singles ou de novidades constantes. “Estamos caminhando para reinvenções, procurando produzir dentro dos novos formatos.” Russo conta que anda investigando, com amigos envolvidos com a parte técnica, aplicativos que possibilitem músicos tocarem juntos, ainda que distantes fisicamente. “Estamos procurando compor em conjunto. E, quando recebemos o material de alguém, vemos os traços dele muito mais aflorados.” Na lista, já conhecidos colaboradores da banda, como o maestro Ubiratan Marques, regente da Orquestra Afrosinfônica, e a dupla baiana Antonio Carlos & Jocafi, autor de hits como “Você abusou”. “Tão interessante quanto te ver tocar a música é te ver compor neste momento. Queria muito que o público tivesse a possibilidade de ver isso.”  

Se a pandemia impulsionou o lançamento de dois discos do Baiana, adiou as gravações do segundo disco solo de Russo, que aconteceriam agora, seis anos depois de Paraíso da Miragem, sua estreia sem a banda. “Preferimos continuar compondo até a situação melhorar e a gente entender qual a melhor forma de ir para o estúdio.”

Neste distanciamento social, Russo conta também que anda enviando composições, melodias e pedaços de música gravadas no celular para os amigos e para a família, como uma forma de mandar um recado e algum conforto a eles. “Vou fazendo as músicas e refazendo. É como um replantio: vou tirando o galhinho que está atrapalhando”, diz. “Nunca foi tão importante mandar uma mensagem.” 

Confira também a seleção das nossas músicas favoritas do Baiana System e do mestre Gilberto Gil:

Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
expressão
rico-dalasam-01

O Retorno de Rico Dalasam

Por
Depois de um hiato e um cancelamento, o rapper volta com novo álbum sobre afetividade de pessoas negras e relações interraciais
Pelo Brasil afora, drag amazônica chama a atenção para questões ambientais e sociais por meio de sua arte
Agnaldo Timóteo, cantor.

O último cantor do vozeirão

Por
Entrevistei Agnaldo Timóteo em 2018, mas apenas à luz de sua morte vejo essa conversa sobre homossexualidade e homofobia publicada
chorao03

A dualidade de um herói real

Por
Documentário "Chorão: Marginal Alado" mostra ambas as faces de um artista que marcou sua época sendo muito em todos os âmbitos de sua vida
No dia em que ele completaria 80 anos, Helio de La Peña, Jacy Lima, Yuri Marçal e outros humoristas refletem sobre o papel dos negros na comédia brasileira