estímulos

Amor só é bom se não doer – e a gente precisa ter essa conversa

Estamos juntos com as pessoas que amamos em nossas casas, mas como tem sido essa convivência?

por Roger Cipó Atualizado em 30 jul 2020, 11h03 - Publicado em 24 jul 2020 10h18
-
Clube Lambada/Ilustração

om licença e com amor, chego para compartilhar e provocar. Tenho insistido na urgência de se pensar amor, afeto bom (direi sempre afeto bom, para especificar já que nos dedicamos muito a produzir afetos ruins: ódio, raiva, inveja, entre outros, mas isso é conversa para outro momento) e as dinâmicas de nossas relações, muito provocado pela série de relatos de experiências de desamores, quase sempre atravessados por micro e até macroviolências. E pergunto: será que isso não é muito mais sobre a forma que nos ensinaram sobre o que é amor e como amar? 

Bem, vamos conversar.

E, para começo dessa conversa, me permita dizer: não é o amor que dói. São outras coisas, na verdade: é o descuidado, a ilusão, a desatenção que aflora ansiedade. O que dói não é o amor, é o descompromisso, aquilo que não se fala e o não olhar. Dói a mentira como caminho, ou quando a companhia não te percebe e você precisa se esforçar muito para estar. O que dói é a necessidade de se negar para ser validad@.Tudo isso dói.

Poderia escrever sobre inúmeras dores naturalizadas que, nessa educação, confundimos como provas de amor. Mas quero sugerir que, por questão de saúde social, é preciso um movimento dedicado para negar essas narrativas. O atual momento da sociedade tem provocado que a gente repense muitas questões urgentes das relações sociais, e por que não questionar as dinâmicas desses amores tão celebrados no trovadorismo e em muitas canções da nossa história. 

É hora de menos Baden Powell. com “amor só é bom se doer”, e mais Nina Simone, com coragem para sair da mesa quando o amor não for mais servido. Porque é isso que dói. Já faz algum tempo que me debruço a estudar e compreender as dimensões de amor, para além do que o platonismo definiu como norma para as relações. Inclusive para compreender todos os erros e desacertos de relações que poderiam ser incríveis e foram sufocadas por todas as desatenções e confusões que citei no início desta conversa. 

Continua após a publicidade

Por essas e outras, decidi ampliar as reflexões e trazê-las para espaços como esse, ou para as rodas de botecos, ou reunião de amizades. De início, pode parecer ilusório, porque há históricos de atravessamentos mais densos sobre o amor, e tudo é fácil quando se lê, mas escrevo porque é meu exercício constante. Dá um trabalho danado, mas é melhor que morrer de amores. Afinal, quando morrer pode ser bom? Viver é melhor. Viver de de amor que deve ser a busca!

Talvez, um dos grandes problemas desse momento seja o desamor como sabor de vidas amargas. E sei que não é justo comer, oferecer lixo como amor e justificar isso como resposta à fome. O que há de bom em ser amor que serve de migalha, para abastecer uma cultura de carentes famintos? E, por que ainda é a melhor opção a se viver? Não imponho, mas podemos repensar. Organizar. Juntar todas as pontas. Já sentimos o gosto daquilo que não nos cabe. Que tal criar e plantar o que nos conforta e alimenta a alma, de verdade? 

Já costurou suas próprias roupas? Ou, pelo menos já escolheu tecido, forma, tamanho e convidou alguém para a costura? Já plantou e semeou verdura no quintal e depois cozinhou para você e para as pessoas próximas?

Quando proponho sobre construir, é dessas experiências que falo – e dão trabalho mesmo.Normalizaram as crueldades e a gente as busca como caminho de amar. Por isso, aparenta ser parece fácil, mas o resultado é tóxico. Quase que pior que todos os agrotóxicos servidos em nossas mesas, nesse país. 

Por fim (mas sem terminar), o que quero sugerir é: plante o novo. Responsabilize-se por semear o amor que quer na mesa para bem receber quem seu afeto convidar para um banquete de cuidado e carinho potencializado. É isso que massageia a alma e é disso que precisamos nesse momento. É isso que não provocará mais dores. Acredita! Vamos juntes? Daqui a pouco, eu volto para continuar essa conversa, pode ser? 

Continua após a publicidade

Roger Cipó é fotógrafo-pesquisador da imagem em tradições afrobrasileiras, escritor e influenciador.
Produz sobre masculinidades, afetividades e questões raciais no Brasil.

Tags Relacionadas
mais de
estímulos

Mistura boa?

Por
A combinação perigosa e prazerosa de sexo e drogas tem nome: chemsex ou chemical sex. Mais comum entre homens gays e bissexuais, ela precisa ser discutida
6

Retrospectiva: Transar gostoso

Por
Todo mundo gosta. Mas, em 2020, muita gente ficou na mão. A quarentena fez com que repensássemos nossas relações e como nos relacionamos com corpos
pexels-polina-tankilevitch-4522869

Memórias do corpo na quarentena

Por
Projeto no Instagram discute acolhimento, gordofobia, autoimagem e autoestima durante o isolamento e deve virar documentário em 2021
ilustracao-horizontal-1a

Expansão sensorial

Por
Através do uso de frequências sonoras, experiência da Beck’s torna o paladar de qualquer cerveja mais amargo
header_carol-ito

Muito além do gozo

Por
Mulheres narram suas descobertas sexuais e como conseguiram fugir do roteiro que ainda privilegia o prazer masculino na cama