expressão

Quando deuses passam dias entre nós

Alma Negrot, artista visual da maquiagem e da performance, interpreta divindades e simbologias que são a cara do nosso tempo

por Alexandre Makhlouf Atualizado em 29 jul 2020, 11h40 - Publicado em 1 jun 2020 08h00
-
Clube Lambada/Ilustração

alar sobre religião, deuses e entidades espirituais sempre requer cuidado, passa por certo tabu. Cada doutrina tem seus dogmas, estabelecidos há milhares de anos e passados de geração em geração, se propagando ao longo dos séculos, permanecendo relevantes independentemente do modelo governamental, do estrato social e da situação do mundo.

Por isso, antes de mais nada, é preciso dizer que existe um profundo respeito e uma enorme felicidade ao estrear a Elástica com este ensaio que você vê aqui. Inicialmente, queríamos recriar divindades existentes de uma forma contemporânea, com elementos atuais que reforçassem o que cada uma delas representa. Pensamos em Iansã, na Virgem Maria, em Jaci (a deusa Lua na mitologia tupi). Em Nefertiti, Kali, Shiva. E sabíamos que a pessoa ideal para tirar nossa ideia do papel era Alma Negrot, maquiador, performer e drag queen que se destaca na noite paulistana por seus looks maximalistas, extravagantes e, quase sempre, muito conceituais.

Para nossa surpresa, Alma pegou nossas referências e bateu tudo num liquidificador criativo e criou seis divindades que falam sobre tudo. Moda, religião, sustentabilidade, sagrado. Beleza, fantasia, misticismo, sombra. Em vez de tentarmos detalhar e expressar o processo criativo desse artista, nada mais justo do que dar a ele a palavra para explicar suas criações. Confira, abaixo, o manifesto escrito por ele sobre as criaturas divinas, maravilhosas, criadas para nossa estreia.

Deus: modo de fazer

Conheça algumas das inspirações e provocações de cada uma das nossas divindades

Essa reportagem fica ainda mais gostosa de ler se você apertar play:

Continua após a publicidade

_____

E L Á S T I C A   A P R E S E N T A

Divino maravilhoso,
por Alma Negrot
_____

Azul. Paz, tranquilidade, respeito. Iemanjá, Nossa Senhora, beleza e opulência. Kali, cria, preserva, salva e destrói. Dor. Adaptação. Pérolas.
Azul. Paz, tranquilidade, respeito. Iemanjá, Nossa Senhora, beleza e opulência. Kali, cria, preserva, salva e destrói. Dor. Adaptação. Pérolas. Breno da Matta/Fotografia

Estamos enfermos e cansados, sedentos por remédios. As promessas que nos fizeram de um mundo ideal são inalcançáveis e soam cada vez mais distantes. Já não temos mais em quem acreditar.

-
Breno da Matta/Fotografia

As religiões, corrompidas pelo poder, falharam. A razão a serviço do sistema também falhou. Frente a um cenário catastrófico, buscamos nos afundar na lama da normalidade. 

Mãe natureza. Terra, floresta, vida. Flores, frutos, plástico, Gaia. Folhas, braços, mãos, pernas e πes. Cura. Masculino e feminino. Oxumaré.
Mãe natureza. Terra, floresta, vida. Flores, frutos, plástico, Gaia. Folhas, braços, mãos, pernas e πes. Cura. Masculino e feminino. Oxumaré. Breno da Matta/Fotografia

Alcançar a liberdade em um sistema de servidão é impossível, mas podemos experimentar seu estado mais puro quando vencemos o medo e nos permitimos viver magicamente.

-
Breno da Matta/Fotografia

Perceber o cotidiano como um ritual pode ser a cura para uma sociedade de sentidos amortecidos e doentes. 

O belo pode vir de qualquer lugar. Sucata, descartes, frivolidades. Boa fortuna, Hórus, antigo Egito. O que é luxo para você?
O belo pode vir de qualquer lugar. Sucata, descartes, frivolidades. Boa fortuna, Hórus, antigo Egito. O que é luxo para você? Breno da Matta/Fotografia

O olhar sensível para o corpo e para as coisas se opõe à inércia e à morte – logo, produz vida. Quando depositamos desejo em nossas ações, estamos evocando feitiços, e isso não depende de doutrinas.

-
Breno da Matta/Fotografia

A vida é uma possessão que se manifesta no corpo. Por isso, quando dançamos, estamos praticando a mais alta bruxaria. 

Escuridão, pausa, noite, cura. Jaci, deusa lua tupi, guia a jornada. Psiquê, personificação da alma, borboleta em metamorfoso. Escuro, ego, transformação.
Escuridão, pausa, noite, cura. Jaci, deusa lua tupi, guia a jornada. Psiquê, personificação da alma, borboleta em metamorfoso. Escuro, ego, transformação. Breno da Matta/Fotografia

Com a expansão da informação e a globalização da espiritualidade, hoje é possível se conectar com sincretismos de maneira pluricultural, já que estamos em intercâmbio constante.

-
Breno da Matta/Fotografia

A partir dessa nova realidade fragmentada, como resolver nossa relação com espiritualidade?

Arte, manifestação divina. Tintas, pincéis, luzes, pedras. Criatividade. Brahma, criação e intelecto. As musas da Grécia Antiga estão em todo lugar
Arte, manifestação divina. Tintas, pincéis, luzes, pedras. Criatividade. Brahma, criação e intelecto. As musas da Grécia Antiga estão em todo lugar Breno da Matta/Fotografia

Ao criar uma série de entidades oferecendo meu próprio corpo como suporte, estou evocando lugares mágicos que me perpassam e me permitindo a possessão. Por Bispo do Rosário, Gaia, Kali, Lilith, Estamira, Alexander McQueen, o Mar e a Lua.

-
Breno da Matta/Fotografia

Sagrados ou banais, são símbolos que podem estar escancarados ou ocultos, mas que honestamente não formam entidades definidas. As potências que elas evocam partirão da relação do espectador com as imagens, ativando sua memória e tocando seus lugares mágicos. 

Vermelho. Fogo, fome, sangue, paixão. Guerra por dentro, amor por fora. Profano que era divino. Xangô, Ogum, Hades. A luz não existe sem a sombra.
Vermelho. Fogo, fome, sangue, paixão. Guerra por dentro, amor por fora. Profano que era divino. Xangô, Ogum, Hades. A luz não existe sem a sombra. Breno da Matta/Fotografia

“Os loucos são como beija-flores: estão sempre a dois metros do chão. Os artistas também. O que os diferencia, não sei. Só sei que, mas por uma razão ou por outra, sou um beija-flor.”

Artur Bispo do Rosário

As imagens que você viu nessa reportagem foram feitas por BRENO DA MATTA. Confira mais de seu trabalho aqui.

Tags Relacionadas
mais de
expressão
6alta

O futuro vem da Colômbia

Por
Com o lançamento de seu primeiro álbum, o trio Ghetto Kumbé promove um encontro musical entre o Caribe, os Andes e a África
Negro e revolucionário, o artista Hahnemann Bacelar morreu de maneira misteriosa em 1971. Seu legado precisa ser conhecido em 2020
daniel-kaleb

Maquiagem de garota?

Por
Homens se aventuram cada vez mais no mundo da maquiagem, desafiando padrões de masculinidade e abrindo portas para uma visão mais divertida dessa arte
negro_leo_capa02

O lacre, o duplo e a guerra

Por
Desejo de lacrar, novo disco de Negro Leo, chega com poesia combativa no melhor estilo “faca no dente”
Com projetos na TV, no teatro e no cinema adiados pela pandemia, Débora Falabella se lançou em webséries e no teatro digital